fbpx


Banner Incape Portal Tissue Online


Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Curiosidades Notícias

Maus hábitos no uso banheiro oferecem riscos à saúde; saiba o que NÃO fazer

Todo mundo sabe que o banheiro é um ambiente altamente contaminado, mas mesmo assim, muita gente insiste em alguns hábitos no mínimo nocivos ao frequentar esse local. Atitudes aparentemente inocentes, como a boa e velha toalha de tecido pendurada no lavabo ou acionar a descarga com a tampa do vaso aberta, podem oferecer riscos à saúde. Para alertar o pessoal que não se liga muito nessas questões, o blog Diário de Biologia listou sete maus hábitos que a maioria das pessoas tem e que devem ser mudados o quanto antes. Se você faz questão de ser ‘limpinho’ coloque tudo em prática e previna-se de possíveis problemas de saúde.

maus habitos

Usar toalha de tecido no lavabo

Sem dúvida, a melhor toalha para se usar no banheiro ainda é a de papel. Mas, como um dispenser de papel-toalha no banheiro de casa não é lá um dos acessórios mais charmosos, a toalha de tecido ainda é a opção mais viável. Para manter a toalha o mais limpa possível, o ideal é trocá-la diariamente ou se perceber que está úmida demais. Orientar as pessoas para não enxugar o rosto nestas toalhas é indispensável para evitara que os germes das mãos acabem indo também para o rosto.

Partilhar sabonete em barra

Geralmente, os sabonetes não apresentam ação desinfetante, bactericida (a não ser os produzidos com esta finalidade). Eles servem para limpar, e não para matar germes, assim vírus e bactérias podem estar ali “leves, livres e soltos”. Tenha higiene: percebendo que há algum resíduo preso ao sabonete, lave-o. Para o lavabo não dispense o sabonete líquido!

Abrir a porta e dar descarga depois de lavar as mãos

Não faça isso, principalmente em banheiros públicos. É claro que a maçaneta da porta, sendo constantemente tocada por mãos contaminadas, vai carregar todo tipo de micro-organismos. No entanto, mantendo a maçaneta sempre limpa, sem gordura ou outra impureza, os micro-organismos tendem a morrer, pois não resistem à falta de água. Mesmo assim, procure lavar as mãos após apertar a descarga. Nunca pegue na maçaneta de um banheiro público depois de lavar a mão. Use um papel-toalha ou um pedaço de papel higiênico para abrir a porta e depois descarte-o em uma lixeira externa.

Deixar o cesto de roupas sujas no banheiro

Estando bem fechado, não representa tanto problema assim. Mas, roupas no banheiro acumulam umidade e os fungos e bactérias amam isso (calor, umidade e escurinho), um descuido de alguns dias é o bastante para que desenvolvam colônias de bactérias na sua roupa. Roupas íntimas então… nem pensar, o ideal é lavar logo!

Manter a escova de dente sobre a pia

Umidade, descargas no vaso sanitário, insetos rastejantes… Com tantos riscos, melhor não deixar sua escova exposta. O ideal é mantê-la sempre seca e guardada. É recomendado também que as escovas sejam substituídas inadiavelmente a cada dois meses.

Acionar a descarga com a tampa do vaso levantada

Quando você aciona a descarga com a tampa do vaso sanitário levantada, os germes literalmente saltam para o ambiente. Eles chegam a atingir vários metros de altura e, como o banheiro não é tão alto, ficam no ar por até 2 horas, contaminando escovas de dentes, toalhas e outros materiais colocados sobre as bancadas e pias.

Manter um tapete no box do banheiro

Tudo que você colocar no box vai servir como base para o crescimento de micro-organismos. Se possível elimine o quanto antes. No entanto o piso muito liso pode levar a acidentes, principalmente de pessoas mais idosas. Nesses casos, não tem com evitar o uso do acessório, e o recomendado é desinfetar o tapete periodicamente com água sanitária e levá-lo ao sol uma vez por semana.

Deixar as janelas do banheiro sempre fechadas

O vapor retido dos chuveiros eleva a umidade das paredes, favorecendo o bolor. A aplicação, a cada 15 dias, de uma solução de 50% de água sanitária em água eliminará a presença destes bolores desagradáveis. O banheiro deve estar sempre ventilado e as janelas abertas sempre que possível.

(Com informações do Diário de Biologia)