fbpx


Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online


Banner Incape Portal Tissue Online

Celulose Notícias

Suzano opera parcialmente fábrica após incêndio

A Suzano Papel e Celulose retomou parcialmente a operação industrial na unidade de Suzano (SP), a mais antiga do grupo, após o incêndio que atingiu um galpão de armazenagem de papel no início da noite da última terça-feira (31).

druscilaok

Em nota, a companhia informou que está gradualmente retomando a produção na unidade. “Os trabalhos de limpeza e reparo estão em curso e a expectativa é de que a rotina seja restabelecida nos próximos dias”, informou. A produção de celulose já foi restabelecida, enquanto a de papel seguia paralisada.

A Suzano interrompeu a produção na unidade por medida de segurança. O fogo, que consumiu bobinas de papel que estavam em estoque, não chegou à área industrial e a previsão era a de que a operação fosse retomada à medida que a área atingida fosse liberada.

Em comunicado emitido na manhã do dia 1/6, a Suzano ressaltou que a linha de celulose e as máquinas de papel não sofreram danos e “as perdas decorrentes do incêndio são fundamentalmente bobinas de papel e a estrutura do galpão de armazenagem, cobertas por seguro”.

Na fábrica, a companhia pode produzir 360 mil toneladas por ano de papel de imprimir e escrever, correspondentes a cerca de 34% da produção total desse tipo de papel, e opera sua única linha de papel-cartão, com capacidade para 200 mil toneladas por ano – a companhia tem ainda participação na Ibema, que produz cartões.

A unidade pode produzir ainda 460 mil toneladas por ano de celulose que está integrada à produção de papel, ou o equivalente a 48% da capacidade total de fibra que é usada pela própria companhia na fabricação de papéis, e 170 mil toneladas/ano de celulose de mercado (que é vendida a terceiros).

“A produção de celulose e as máquinas de papel foram paralisadas por motivos de segurança e a produção está sendo retomada de acordo com a liberação da área”, informou ontem pela manhã a companhia, acrescentando que estoques e produção de outras unidades serão usados para garantir o atendimento a seus clientes.

Para o BTG Pactual, o impacto financeiro do incêndio deve ser irrelevante. O banco também considerou exagerada a desvalorização das ações da companhia ontem na BM&FBovespa e recomendou a compra dos papéis, que fecharam com baixa de 1,9%, a R$ 14,38.

A estimativa do BTG é a de que as perdas com o incêndio girem em torno de 1,5 mil toneladas de papel, o que se compara a volumes anuais consolidados de 1,2 a 1,3 milhão de toneladas. Diante disso, o tamanho da perda financeira potencial é irrisório. “O incêndio foi já extinto e não houve relato de feridos graves. Embora reconheçamos que existem incógnitas neste momento e os investidores podem estar usando isso para realizar lucros após a alta recente das ações, consideramos a reação em bolsa excessiva”, escreveram os analistas Leonardo Correa e Caio Ribeiro.

O incêndio na unidade teve início por volta das 18h30 de terça-feira e o foco foi controlado perto das 21h. Dois prestadores de serviço, que sofreram ferimentos leves, foram socorridos e encaminhados a hospitais da região. Os dois trabalhadores passam bem, conforme a empresa.

Valor Econômico