fbpx
CeluloseNotícias

Setor de papel e celulose salva economia do ES de recessão profunda

Boa parte dessas conquistas se dá graças aos investimentos anunciados pela Suzano ao estado, em um montante de quase R$ 1 bilhão

Apesar de ter ensaiado uma reação, o setor industrial do Espírito Santo teve nova queda na produção, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados na última semana. A retração foi de 1,8% em outubro em relação a setembro deste ano. No mês anterior, porém, o segmento havia registrado alta de 5%.

Segundo o levantamento, o estado tem cerca de 17% das contratações na atividade industrial. Em relação a outubro de 2019, o mesmo mês sofreu uma queda de 7,6% neste ano.

O setor que tem “salvado” o desempenho industrial, no entanto, é o de celulose e papel, que livrou o indicador geral de uma recessão ainda mais profunda e impediu uma queda maior do Produto Interno Bruto (PIB) capixaba.

Apesar dos desafios deste ano, o segmento deslanchou e teve um avanço de 58,6% no mês de outubro de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado. O setor de papel e celulose representa, atualmente, cerca de 8% da atividade econômica do ES.

 

Na indústria de transformação, com exceção da extrativa, esse segmento chega a 20% da geração de riquezas da economia capixaba, conforme apontam dados do Indicador de Atividade Econômica do Espírito Santo (IAE). Na comparação de agosto de 2020 com agosto de 2019, a produção cresceu 45,6%.

Boa parte dessas conquistas se dá graças aos investimentos anunciados pela Suzano ao estado, em um montante de quase R$ 1 bilhão.  O aporte inclui a modernização da planta industrial de Aracruz, a expansão da base florestal e a construção de nova fábrica de tissue em Cachoeiro de Itapemirim.

Os investimentos da Suzano, além de aumentar a produtividade, ampliam a eficiência em toda a cadeia produtiva, incluindo os fornecedores. Além disso, impactam em milhares de emprego em todo o estado, ajudando na recuperação econômica, na geração de renda e no equilíbrio do crescimento regional do estado.

Fonte
A Gazeta
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo