fbpx

Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Banner Animado Adritz no Portal Tissue Online

Notícias Notícias Exclusivas Tissue no Brasil

Definindo as características físicas que causam suavidade do Tissue

Quais são as características físicas que causam as diferenças na maciez do tissue? Vamos discutir uma nova abordagem para a compreensão dos melhores processos de controle que determinam a suavidade do Tissue.

MACIEZ

Este projeto foi concebido para determinar:

•Métodos de microfotografias que podem ser utilizados para compreender e comunicar propriedades da estrutura de folha da fibra de ligação e que resultam em variações na suavidade da folha;

•Determinar se variações observáveis podem ser usadas para definir as pequenas diferenças de maciez, tais como as realizadas na formação de crepe.

•Estabelecer procedimentos para a tomada / prestação de fotografias relevantes para uso em propostas de melhoria dos processos e relatórios de avaliação.

Primeiro foram pareadas amostras de tissue com grandes diferenças de maciez. Estas amostras foram produzidas usando o mesmo fornecimento e a partir da mesma máquina. Na primeira fase do estudo, foi confirmado que as diferenças visuais poderiam ser vistas sob ampliação, e quatro métodos foram usados para analisar cada par de amostras.

1

A fase seguinte foi comparar as amostras pareadas com pequenas diferenças na maciez e determinar se suavidade pode ser visto e que características físicas resultou em pequenas diferenças de maciez percebidos. Finalmente uma corrida confirmação foi feita para verificar os resultados. Este artigo dá ao leitor uma melhor compreensão do que faz uma folha suave. Este conhecimento das propriedades físicas que resultam em maciez fornece uma base para a modificação de processos para melhorar a maciez do tissue.

“Good Tissue” é uma percepção do usuário. Isso varia de pessoa para pessoa, e de mercado para mercado. Nem sempre é racional e pode variar em grande medida com as diferentes culturas. Suavidade é o mais evasivo e muitas vezes aparentemente inconstante de propriedades do tissue, porque se baseia na percepção do consumidor, os parâmetros não quantificados. A busca dos fabricantes de tissue é traduzir as respectivas percepções de seus mercados em propriedades mensuráveis e controláveis. Existem certas propriedades fundamentais que influenciam a percepção, e é possível identificar e, em seguida, controlá-las para os vários conceitos de qualidade de tissues.

2

Não há nenhuma medida nem qualquer unidade de “suavidade”. A maioria das medidas são uma tentativa de correlacionar propriedades mensuráveis com níveis percebidos de suavidade. Por exemplo, o mais tardar, talvez o mais amplamente aceito, instrumento de teste, TSA, correlaciona-se com sons quando esfregando a folha de uma maneira controlada. Crepe é ilusório porque muitos fatores influenciam a suavidade e eles são confundidos um com o outro. Usando o conhecimento da morfologia da fibra, de enrugamento, experiência e habilidades de microfotografia, este estudo tenta compreender melhor as estruturas da folha que resultam em percepções de boa maciez.

Razões identificáveis por que uma folha é macia incluem:

•Explosão de Crepe – (volume em relação ao peso base)

•Contagem de Crepe (finura de macro crepe), a natureza da superfície, e equilíbrio de macro e microcrepe

•Rigidez (tipo de fibra)

•Refining (colagem de fibras intra, força / atrial, rigidez)

•Enchimento de polímero e colagem (rigidez, baixo volume)

•Multas e cinzas (gramatura, rigidez)

•Sensação de superfície (a profundidade de fibra)

•Compactação (formação, prensagem, aspirador de água, a dinâmica de secagem)

•Como não existe uma propriedade que resulta diretamente em “suavidade”, é lógico que uma combinação específica de propriedades devem resultar em um dos tipos de suavidade percebida.

Suavidade influenciando diretamente as categorias de fator:

•Densidade Folha – cortina, almofada, rigidez

•Força – rigidez, maleabilidade, não como uma camiseta velha macia

•Profundidade da superfície – fixação de fibra (sensação volumosa)

•Propriedades de superfície – geometria de enrugamento e dinâmicas

FASE 1 – metodologia 

Na primeira fase do estudo, foi confirmado que a microscopia e métodos que usam a fotografia para ver diferenças. Foram avaliados os número de métodos no exame, e quatro técnicas para a análise das amostras foram escolhidas.

As quatro técnicas escolhidas foram: 1) uma visão superficial de baixa ampliação, onde foram examinados contagem de crepe e natureza do crepe. 2) Ultra grande ampliação da superfície, onde nós estamos olhando para a ligação de microfibras, a morfologia da fibra e estrutura de fibra / camada. 3) Vista borda dobrada, onde o foco principal era o de fibras de direção emergentes a partir da superfície, que dão uma sensação aveludada de profundidade. 4) Vista transversal, onde podemos ver a estrutura do crepe. Devido à dificuldade da preparação da amostra transversal, essa visão foi menos utilizada do que os outros três.

Bordas dobradas foram examinados com um estereoscópio e microscópio óptico em 20X a 100X. Técnicas de iluminação utilizados foram oblíquos, angular, e iluminação de fundo. Um resumo fotográfico desta fase é mostrado nas Figuras 3 e 4.

3

4

A fase dois

O conjuntos de pares de amostras estreitamente alinhados dos tissues com uma grande diferença de maciez foram olhados e avaliados. O objetivo era ver se havia diferenças em folhas semelhantes. Foram examinados com microscópio óptico e microscópio eletrônico de varredura (MEV) com 20X de aumento. As seções transversais de estruturas de folha em 20X a 200X examinadas com o microscópio óptico.

A Figura 5 é um resumo do estudo de Fase 2. A pergunta foi respondida: grandes diferenças de suavidade podem ser vistas e até mesmo a causa da diferença pode ser definida usando microfotografias.

5A

5B

5C

5D

5E

A fase três

O objetivo foi avaliar as amostras com pequenas diferenças na maciez (de cinco a 10 pontos na escala de 100) com três, e às vezes quatro metodologias (dois tipos de vistas de superfície, uma folha dobrada, e por vezes, uma transversal vista) de acordo com os procedimentos da fase dois. Os resultados deste estudo são apresentados a seguir.

6

Pequena diferença 

Em referência à Figura 7, as diferenças de propriedades físicas são visíveis. Nem as visualizações da borda dobrada nem as microfotografias 1500X mostraram diferenças significativas. As análises de superfície mostram uma diferença muito significativa.

Enquanto a amostra 1 tem crepe suave, fino e uniforme com microcrepe, a amostra 2 mostra uma macieza padrão de crepe grosseira seguida por alguns picos de microcrepe fino depois outro grande crepe grosso.

Isto é típico de uma folha enrugada com má fixação na superfície. O que é necessário com base nessa comparação é um melhor controle da fixação da folha no cilindro.

7

Conclusões

Quando um painel de clientes, ou TSA detecta uma diferença de 10 pontos de maciez ou mesmo menos, é possível encontrar visualmente as diferenças na folha, que resultam da diferença na macieza percebida.

Nenhum tipo de microfotografia sempre vai explicar uma diferença em termos de suavidade; mas, com uma série de fotografias, uma pessoa ou pessoas familiarizadas com os processos de tissue, pode determinar quais são as possíveis causas para a diferença e quais são as melhores ações a serem tomadas para melhorar a suavidade.

Com a análise dos especialistas em processos de tissue, causas da suavidade significativas podem ser identificadas, e a gestão de operações pode implementar planos de melhoria de processo específico com base na análise de microfotografias.

Microfotografia de folhas de tissue pode ser uma ferramenta valiosa na determinação de um caminho a seguir para melhorar a suavidade ou como uma ferramenta de diagnóstico para problemas de suavidade.

Este artigo foi escrito por John Stitt, especialista global da Buckman para processos de Tissue e formação de crepe, e Holly Richardson, Buckman, serviços técnicos.

Tissue World Magazineselo_ok