NotíciasTissue no Brasil

Carta Fabril se prepara para realizar IPO

A empresa, que mira em um novo ciclo de expansão, está sendo sondada por bancos de investimento para uma oferta pública inicial de ações

A Carta Fabril, tradicional fornecedora fluminense de tissue, dobrou de tamanho nos últimos cinco anos, conquistou novos mercados e quer manter o ritmo, ganhando ainda mais força. A empresa também tem trabalhado em um novo projeto de uma nova máquina de papel, a MP7. Agora, bancos de investimento vêm sondando a fabricante para uma oferta pública inicial de ações (IPO, em inglês).

“Estamos trabalhando para a empresa estar pronta para listar ações quando o momento for adequado”, afirma o presidente da companhia, Victor Coutinho. A Carta Fabril tem controle familiar e seus resultados financeiros são auditados por uma das “quatro grandes” de auditoria e consultoria, desde 2012. Passando por processos de melhoria, a estrutura de governança foi revisada, e desde 2016, um plano de expansão de R$ 600 milhões entrou em vigor, o que fez com que as receitas dobrassem, atingindo a marca de R$ 1 bilhão.

Os recursos foram investidos na modernização da unidade de Anápolis (GO), que conta com a maior máquina de papel em operação no país, e também na inauguração de uma unidade industrial com tecnologia de ponta em Piraí (RJ). O ciclo de crescimento incluiu a ampliação do portfólio, concluído no ano passado, que consolidou a Carta Fabril como empresa de consumo, na disputa pelos acirrados mercados de tissue e personal care.

Detentora de marcas como Cotton, Coquetel e Baby Looney Tunes, a empresa já inicia os passos para um novo ciclo de ampliação, que deverá custar R$ 350 milhões nos próximos cinco anos. O plano é aumentar, em 50%, a capacidade produtiva da fábrica de Piraí.

Atualmente, cerca de 60% do negócio da Carta Fabril corresponde a tissue e 40% a cuidados pessoais – o objetivo é crescer em todas as categorias e, simultaneamente, alcançar um equilíbrio mínimo de 50% em cada segmento. “Tissue é quase uma commodity. O consumidor olha muito preço. Em cuidados pessoais, a relação [entre marca e consumidor] é de confiança. Então, buscamos um portfólio mais balanceado”, avalia Coutinho.

Hoje, a oferta de tissue no mercado brasileiro é maior do que a demanda, e as margens dos fabricantes em geral têm sido prejudicadas devido à concorrência acirrada e o forte aumento dos preços da celulose. Na visão de Coutinho, 2021 tem se mostrado ainda mais difícil do que o ano passado, justamente por causa do aumento dos custos da principal matéria-prima, que costuma responder por 50% do custo. Com preços atuais superiores a US$ 1 mil por tonelada, seu peso já excede 60%.

A pandemia do coronavírus também reduziu o poder aquisitivo do consumidor, o que pode representar uma oportunidade para a Carta Fabril. “A troca de marcas pode nos beneficiar”, diz Coutinho. Espera-se que o crescimento do faturamento salte, de R$ 1,1 bilhão em 2020, para R$ 1,2 bilhão.

As estratégias para suavizar a pressão dos custos sobre as margens incluem maior eficiência, repassar os preços dentro do possível e focar em inovação. A companhia também deu início a um projeto de exportação, objetivando alavancar a rentabilidade e ter alguma proteção cambial (hedge) natural. As primeiras exportações tiveram como destino outros países da América do Sul e os Estados Unidos, e ainda que não sejam significativas, devem responder por 5% do faturamento neste ano.

O executivo admite que a jornada que mudou o perfil da Carta Fabril tem trazido muitos desafios, já que a disputa se dá, principalmente, com fortes multinacionais. Porém, a empresa brasileira, que até 2015 era totalmente focada em tissue, está buscando ganhar força por meio de capacidade, complementação de portifólio e inovação. Hoje, figura entre as cinco maiores do mercado tanto em tissue quanto em personal care.

Sua ambição é manter presença relevante em todas as categorias de atuação e, para isso, os investimentos não param. Há algum tempo, a Carta Fabril adentrou o segmento de toalhas umedecidas e complementou a oferta de absorventes. Neste mês, introduz no mercado um papel higiênico premium, o Cotton Folha Tripla.

Os principais alvos da fabricante, geograficamente falando, são o Sudeste e Centro-Oeste, com destaque para o Rio de Janeiro, onde oscila entre a liderança e a vice-liderança nas categorias em que atua. O Nordeste e no Norte também representam boas oportunidades – apenas a região Sul não está nos planos de curto e médio prazo da empresa. “A pretensão é ser nacional, mas esse não é um objetivo para os próximos cinco anos”, entrega Coutinho.

O presidente destaca que a organização investe “sistematicamente” em tecnologias mais sustentáveis, como a da MP, em Anápolis, que substituiu o uso de combustíveis fósseis por biomassa na etapa de secagem. Em 2016, a fornecedora foi responsável por criar um dos maiores projetos privados de preservação ambiental, o Parque Temático Ambiental Terra Santa, em Cachoeiras de Macacu (RJ). A iniciativa de reflorestamento e conservação ambiental já alcançou de 384 mil árvores plantadas, em uma área de mais de 1,2 milhão de metros quadrados de Mata Atlântica.

Fonte
Valor Econômico
Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo