Destaque Notícias Tissue no Brasil

Carta Fabril está perto de iniciar a produção de uma nova máquina de papel tissue

LOGOMARCA CARTA FABRIL NOVA

A produtora brasileira de tissue “Carta Fabril” está perto de iniciar a produção de uma nova máquina de papel tissue em sua fábrica de Anápolis, no estado de Goiás, centro-oeste do Brasil. De acordo com o vice-presidente da empresa, José Carlos Coutinho Júnior, o valor investido é de 50 milhões de reais em um projeto que dobrará a capacidade da unidade para cerca de 60 mil toneladas por ano de papel tissue. A start-up da máquina está previsto para este mês .

Inicialmente prevista para entrar em operação em dezembro de 2013, a máquina fornecida pela Hergen incidirá sobre papel higiênico de dupla camada e toalhas, com o objetivo de atender o crescente mercado consumidor brasileiro em regiões como o centro-oeste e nordeste. “Embora o crescimento econômico do Brasil é limitado, o seu consumo de tissue está aumentando a uma taxa de 6% , seguindo outros mercados emergentes. No nosso caso, de 2013 as vendas foram cerca de 20 % maior do que no ano anterior “, disse Coutinho Júnior para a PPI América Latina.

Além da fábrica de Anápolis, a empresa também possui uma unidade, que produz 29 mil toneladas por ano de papel na cidade de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, sudeste do Brasil.

selo_ok

Os planos futuros
A Carta Fabril anunciou em 2013 uma meta agressiva para se tornar o maior produtor de tissue do Brasil, com o objetivo de competir com players globais já instaladas na região. Para alcançar essa posição, a empresa anunciou planos para construir uma nova fábrica na cidade de Aracruz, Estado do Espírito Santo, em um sítio de 600 mil m² .

Inicialmente, duas máquinas com capacidade para produzir 60 mil toneladas/ano cada uma, devem ser lançadas em 2015, mas Coutinho Júnior sinalizou que esses planos foram adiados para 2016. “Nosso projeto é seguir em frente, mas é preciso a licença de instalação para início da construção. esperamos obter a licença final no primeiro semestre deste ano e depois disso podemos começar a terraplenagem”, disse ele.

O executivo também detalhou que Carta Fabril ainda está trabalhando sobre a estrutura financeira para o projeto, que pretende chegar a uma capacidade de tissue de 1 bilhão de toneladas/ano até 2024 , com 16 máquinas que operam em Aracruz. A medida exigiria um investimento de US$ 1 bilhão. “Estamos tendo conversas, não só com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas também com outras instituições de financiamento para apoiar este projeto”.

www.datamark.com.br