CeluloseNotícias

Canal de Suez é desbloqueado após seis dias

Dentre os mais de 429 navios que ficaram encalhados no local, havia diversos navios carregados de celulose

O navio Ever Given que, há seis dias, bloqueava o Canal de Suez, no Egito, foi desencalhado hoje, de acordo com informações da Autoridade do Canal de Suez (SCA). O tráfego na rota deve ser retomado em três dias. “O almirante Osama Rabie, presidente da Autoridade do Canal de Suez, proclamou a retomada do tráfego de navegação no canal”, comunicou a SCA.

O enorme cargueiro, com 400 metros de comprimento, ficou encalhado diagonalmente em um setor do sul do canal em virtude de ventos fortes e uma tempestade de areia que afetou sua visibilidade na manhã da última terça-feira, 23.

Assim, o tráfego foi bloqueado na mais curta rota de navegação entre a Europa e a Ásia, um dos trajetos comerciais mais movimentados do mundo – por volta de 12% do comércio global transita pelo canal – e as empresas foram forçadas a redirecionarem navios, o que causa longos congestionamentos.

No início desta segunda-feira, 29, agentes de resgate da SCA e uma equipe da empresa holandesa Smit Salvage trabalharam para liberar o navio usando rebocadores após dragagens e escavações extras durante o final de semana.

A embarcação finalmente foi colocada na direção do fluxo no meio do canal, com a popa e a proa liberadas, pouco depois das 15h15 (10h15 de Brasília). Ao redor, o desencalhe do navio foi comemorado com buzinaços dos barcos, enquanto o cargueiro começava a subir lentamente na direção norte do canal.

De acordo com o almirante Osama Rabie, “o canal funcionará 24 horas por dia depois que o cargueiro voltar a navegar”. “Serão necessários três dias e meio para que todos os navios em espera atravessem o canal”, disse. Ainda será necessário inspecionar a estabilidade do canal antes de retomar o fluxo.

Empresas especializadas em comércio marítimo estimam que, ao todo, as perdas econômicas direta ou indiretamente ligadas ao encalhe sejam superiores a R$ 300 bilhões.

 

A operação para liberar a embarcação durou cinco dias e mobilizou retroescavadeiras e equipamentos de dragagem, um grupo de rebocadores e a retirada parcial do peso da embarcação para tentar facilitar o delicado trabalho de engenharia, já que o navio poderia se desequilibrar ou se partir, por exemplo.

Dentre os mais de 429 navios que ficaram encalhados no local, havia diversos navios carregados de celulose. O presidente da Suzano, Walter Schalka, já havia adiantado que problemas logísticos poderiam dificultar o embarque de celulose e, consequentemente, a fabricação e distribuição de papel higiênico. Agora, o mercado está em alerta, acompanhando os desdobramentos desse caso e que impactos ele continuará tendo nos próximos dias.

Fonte
O GloboUol
Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo