Notícias Tissue no Brasil

Suzano anuncia produção de papel tissue

Serão duas linhas de bobinas de papel para papel higiênico nas Unidades Imperatriz e Mucuri, com capacidade de 60 mil toneladas cada

suzano

A Suzano Papel e Celulose investirá R$ 425 milhões na construção de duas unidades de produção de bobinas para a conversão em papel higiênico nas cidades de Mucuri (BA) e Imperatriz (MA). Cada uma delas terá uma máquina de largura dupla, com capacidade de produção de 60 mil toneladas/ano. A estratégia é atuar como parceiro industrial de players desse segmento, fornecendo os jumbos que serão convertidos no produto final, garantindo competitividade de custos e de logística.

O consumo de papel higiênico no Brasil tem migrado gradualmente dos produtos de folha simples, para os mais sofisticados, com folhas dupla e tripla. O mercado brasileiro consumiu 800 mil toneladas no ano passado. “Identificamos uma nova frente na qual conseguimos agregar valor à nossa celulose. Podemos ser muito competitivos e é isso que estamos propondo ao mercado”, afirma Walter Schalka, presidente da Suzano Papel e Celulose.

A expectativa é de que a demanda local por tissue cresça, em média, 5% ao ano. Nas regiões Norte e Nordeste, porém, o crescimento tem superado essa taxa. “Com a fabricação de bobinas na Bahia e no Maranhão, a Suzano se aproxima dos mercados mais promissores, com unidades integradas, produto de qualidade e custo competitivo, em especial na questão de logística, já que grande parte das bobinas é hoje produzida no Sul e Sudeste do país”, completa Ernesto Pousada, diretor executivo de Operações da Suzano Papel e Celulose.

Com esse projeto, a empresa também propõe uma solução definitiva para a monetização dos seus créditos de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) na Bahia e no Maranhão. Uma das maiores exportadora desses estados, a Suzano terá agora atuação no mercado interno (vendas das bobinas) para deduzir os créditos gerados no embarque de celulose.

O início das operações das novas unidades está estimado no 3º trimestre de 2017, em Imperatriz, e no 4º trimestre de 2017, em Mucuri. O investimento aprovado também contempla a possibilidade de, no futuro, a empresa atuar na conversão do produto.