fbpx

Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Banner Animado Adritz no Portal Tissue Online

Celulose Notícias

Sem ter quem descarregar, celulose da Suzano fica parada no porto

Motoristas que realizavam irregularmente a função de estivadores foram impedidos pelo sindicato dos arrumadores de continuar a descarregar os caminhões.

Foto: G. Ferreira

Foto: G. Ferreira

Caminhoneiros contratados para realizar o transporte de celulose de Imperatriz a São Luís, para o galpão da empresa Suzano, situado dentro da área do Porto do Itaqui, estão impedidos de descarregar o produto desde a manhã de quinta-feira (13). A interdição na área de descarga do galpão foi determinada pelo Sindicato dos Arrumadores de São Luís (SA-SL), sob a alegação de que o trabalho que deveria ser feito pelos estivadores está sendo executado de forma irregular pelos próprios motoristas.

Segundo um grupo de motoristas ouvidos pelo Jornal Pequeno, na sexta-feira (14), pelo menos 18 carretas já ocupam a área de estacionamento do Porto, desde a noite da última quarta-feira (12).

Eles explicaram que, para agilizar o processo, estavam realizando a descarga do material. Cada caminhão transporta de 32 a 48 toneladas de celulose, dependendo do porte do veículo.

“Cheguei aqui quarta a noite e até hoje estou parado porque a empresa e o sindicato dos arrumadores não chegam a um consenso em relação ao valor pago para o estivadores. O que soubemos é que o sindicato teria cobrado R$ 150 por carro, o que nós também achamos um absurdo, uma vez que o trabalho do estivador é retirar a lona que cobre a carga e abrir as portas laterais e traseira do caminhão, o resto é feito pelas empilhadeiras”, disse um motorista natural de Itinga do Maranhão.

Outro caminhoneiro, natural de Minas Gerais, informou que a maioria dos motoristas ganha comissão em cima do valor da mercadoria, que varia entre 10% e 12%, e por conta disso precisam trazer o carregamento pelo menos duas vezes na semana, pois, caso contrário, tem prejuízo.

Ele explicou que dois carregamentos semanais equivalem a pouco mais R$ 700, dependendo da quantidade descarregada. Um dia parado custa, para cada caminhoneiro, perto de R$ 600 de prejuízo.

“Isso sem contar nossa alimentação, que custa em média R$ 40 para comer coisas simples e dormir dentro dos caminhões.”

Segundo o motorista, as cargas de celulose não param de chegar. “Daqui uns dias, se essa situação não for resolvida, o pátio do porto não vai conseguir comportar todas as carretas que ainda estão por vir.”

“Nosso prejuízo só cresce e ninguém diz quem vai arcar com esse prejuízo, se é o Sindicato dos Arrumadores ou a Transnordestina, que é quem realiza as operações dentro do Porto para a Suzano”, afirmou o motorista.

De acordo com o presidente do sindicato dos arrumadores, João José Pereira Teixeira, existe uma convenção coletiva, acordada entre o sindicato e os operadores aeroportuários, que estabelece um valor específico para o trabalho em pátio.

Ele explicou que o valor estabelecido é de R$ 0,16 por tonelada movimentada, o que não é aceito pela Transnordestina.

O problema já se arrasta há pouco mais de um mês, quando as operações do transporte de celulose começaram dentro do Porto – antes, eram feitas somente por trem.

“Desde que essas operações começaram no Itaqui, os arrumadores nunca foram contratados, o descarregamento sempre foi feito pelos motoristas, mas agora não vamos mais aceitar essa prática ilegal, que desvaloriza a nossa categoria. Atualmente, temos 164 trabalhadores atuando dentro do Porto do Itaqui, e só vamos liberar a área de descarga depois que chegarmos a um denominador comum e a situação for regularizada”, explicou João José Teixeira.

COMBUSTÍVEL – Dezenas de motoristas que aguardavam no pátio do porto do Itaqui para carregar e descarregar combustível, na semana passada, também reclamaram da lentidão das distribuidoras e da burocracia na emissão da nota fiscal por parte da Receita Federal.

Em alguns casos a espera já ultrapassava 10 dias, apesar de a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) ter informado que todas as operações estavam normais e que iria procurar as empresas para minimizar o tempo de espera.

SUZANO – Em nota, a Suzano Celulose afirmou que suas atividades “não foram prejudicadas” e que o processo de descarregamento da sua carga “está sendo realizado dentro da normalidade”.

jornalpequeno.com.br
JULLY CAMILO E OSWALDO VIVIANI