CeluloseNotícias

Queda dos preços da celulose prejudicou resultados em 2020, diz executivo da CMPC

Grupo fechou o exercício com prejuízo de US$ 28,4 milhões, principalmente em virtude dos menores preços da fibra curta

A CMPC enfrentou desafios no ano de 2020. Apesar de a pandemia ter desencadeado a demanda por papéis tissue e outros produtos para limpeza e higiene – o que beneficiou a empresa –, isso não foi suficiente para reverter a queda dos preços da celulose no mundo e fez com que o grupo fechasse o exercício com prejuízo de US$ 28,4 milhões.

O presidente do Conselho de Administração da CMPC, Luis Felipe Gazitúa, comentou o assunto em carta aos acionistas. “A adoção de rígidos protocolos de trabalho, somados ao compromisso dos nossos colaboradores, permitiram compensar a diminuição da atividade econômica global e sua consequente queda na demanda. No entanto, isso não foi suficiente para compensar o impacto nos resultados dos menores preços da celulose, que para a fibra curta, foram os mais baixos em termos nominais dos últimos 15 anos”, destacou.

Gazitúa ainda ressaltou que a CMPC não pretende interferir nas decisões políticas do Chile, que passará por um processo constituinte nos próximos meses, mas afirmou que a organização quer fazer parte do diálogo, “expondo o que consideramos mudanças transcendentais para o nosso futuro, como a descentralização do país e o equilíbrio necessário entre a atividade produtiva e a proteção da biodiversidade”.

Ele ainda garantiu que a empresa quer “promover pontos de consenso”, “criando as condições para que a indústria florestal possa conviver e tornar-se um verdadeiro fator de desenvolvimento nos territórios onde está presente. Essa é a atitude que a opinião pública espera das empresas: atuante e envolvida”, finalizou.

Fonte
La Tercera
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo