fbpx

Banner Animado Adritz no Portal Tissue Online

Celulose Coronavírus Notícias

Projeto Onça Pintada, realizado pela Eldorado, será retomado

destacada-projeto-onca

Representantes da companhia se reuniram com o prefeito de Três Lagoas para apresentar o plano de ação para a retomada das obras

Na última semana, representantes da Eldorado Brasil se reuniram com o prefeito de Três Lagoas (MS), Ângelo Guerreiro, para apresentar o plano de ação para a retomada das obras do Projeto Onça Pintada.

reuniao-eldorado-tres-lagoas

A obra será retomada após um pedido da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), já que a Onça Pintada é uma usina termelétrica. “Pretendemos finalizar em dezembro para a produção começar em janeiro”, comentou o gerente de Pessoas e Serviços da Eldorado, Alberto Rodolfo Pius.

Antes da pandemia, a obra contava com mais de 600 colaboradores de empresas terceirizadas, mas a retomada terá apenas 170 trabalhadores, para que as ações estejam dentro das normas de enfrentamento à Covid-19.

Além de uma equipe médica preparada, os ônibus que atenderão os funcionários da empresa também seguirão as recomendações de saúde, com apenas 50% de poltronas ocupadas, demarcadas e higienizadas frequentemente. Os colaboradores precisarão seguir normas rígidas de higiene e também de isolamento fora do ambiente de trabalho.

“É um momento de muita preocupação com cada colaborador e também com suas famílias, portanto, estamos seguindo todas as normas e também cobrando que as prestadoras de serviço estejam atentas a cada nova exigência”, ressaltou Alberto Pius.

“Nós estamos atentos em relação a toda a indústria e comércio de Três Lagoas, para que sigam as normas e cumpram todas as recomendações e decretos, assim, conseguiremos controlar o coronavírus em Três Lagoas”, concluiu o prefeito.

Isso também pode ser interessante 👇🏻
• Solução de desinfecção para tempos de Covid-19
• Como ficará o mercado professional pós-crise?
• Produtos marca própria ganharão força pós-crise?

Com 50MW de capacidade, a usina Onça Pintada produzirá energia para a rede pública a partir de biomassa processada proveniente de resíduos de florestas plantadas e descartados da produção da celulose, maximizando o aproveitamento de matéria-prima.