fbpx


Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online
Banner Incape Portal Tissue Online


Celulose Notícias

Fibria capacita cerca de 300 profissionais em técnicas de segurança do trabalho

Cerca de 300 profissionais da Fibria em Três Lagoas participaram, durante quase um mês da capacitação de segurança em espaço confinado (NR 33) e trabalhos em altura (NR 35). A ação teve o intuito de aperfeiçoar as técnicas e conhecimentos de segurança, além de fomentar o comportamento seguro.

fibriacapacitacao1

A capacitação foi dividida em duas etapas, teórica e prática. Por meio do apoio do Senai, o conteúdo teórico foi ministrado a distância, com o uso do sistema e-learning de ensino. “O treinamento foi elaborado de forma customizada tendo como referência os procedimentos da Fibria. O ambiente virtual construído pelo Senai foi equipado com fotos da fábrica e situações que encontramos em nossa rotina de trabalho quando se trata de atividades em espaço confinado e em altura, aproximando o profissional da realidade vivida em seu dia a dia”, explica o coordenador de Higiene, Saúde e Medicina do Trabalho (HSMT), Milton Machado.

Na etapa prática, o treinamento contou com o auxílio de um simulador de espaço confinado e uma torre de andaime. No total, foram quatro horas complementares de aulas práticas, onde foram avaliadas noções de resgate e primeiros socorros.

De acordo com Machado, o uso de simuladores e exercícios práticos neste tipo de treinamento facilita a compreensão e diminui as chances de erros em casos de emergência. “O empregado tem a chance de praticar e se preparar para as situações reais, a diferença é que, no ambiente de treinamento, podemos realizar correções e auxiliá-lo, no aprimoramento ao executar a ação, sem qualquer tipo de risco”, afirma o coordenador.

A planejadora de Manutenção, Jackeline Malaquias Chaves, participou da capacitação e confirma a importância de reciclar o conhecimento. “Eu planejo as atividades da minha equipe e preciso fazer todo o trajeto primeiro, para depois repassar. É muito importante ter a nossa atividade avaliada pelos técnicos para sabermos se há algo que podemos melhorar para mantermos a qualidade dos nossos serviços e, acima de tudo, a segurança”, afirma Jackeline.

acritica.net