fbpx




Banner Incape Portal Tissue Online
Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Celulose Notícias

Eldorado pede nova perícia em ação movida pela Fibria

eldoradoe fibria

Em mais um round da disputa travada na Justiça entre as fabricantes de celulose Fibria e Eldorado Brasil envolvendo clones de eucalipto, a Eldorado contestou o laudo pericial elaborado como parte da ação movida contra a companhia e pediu a realização de uma nova perícia.

O pedido consta de documento protocolado em 22 de agosto na Justiça de Três Lagoas (MS). Nele, a Eldorado se manifestou sobre o laudo que indica 99,99999981% de probabilidade de cinco amostras de eucalipto, de um total de seis, recolhidas em plantios explorados pela empresa, serem geneticamente idênticas à cultivar protegida VT02, da Fibria.

A Eldorado alega que há aspectos que tornam o laudo pericial “inconclusivo e imprestável para o fim que ele foi elaborado”. Entre esses pontos, a companhia afirma que há “posição de conflito de interesses” do Laboratório Heréditas, cuja estrutura foi usada na perícia judicial conduzida pela empresa Vinicius Coutinho Consultoria e Perícia, de Campo Grande (MS), e que o exame levou “em conta método não seguro (DNA) e em desacordo com as melhores práticas científicas e as recomendações do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares (SNPC)”.

No entendimento da Eldorado, o SNPC indica que o exame morfológico é o que “de fato traz certeza para a confrontação de amostras de mudas de eucalipto”. Como o laudo pericial é baseado na análise de DNA, a produtora de celulose controlada pela J&F Investimentos, também dona da JBS, pediu também a realização da análise morfológica.

A Eldorado encaminhou documento ao Valor, intitulado “Instruções para Execução dos Ensaios de Distinguibilidade, Homegeneidade e Estabilidade de Cultivares de Eucalipto”, do SNPC, no qual baseia sua argumentação de que a análise molecular é “adicional e facultativa” na comparação de dois exemplares de eucalipto.

Consultado pelo Valor, porém, o SNPC informou que, para verificação de uso indevido de cultivar protegido de espécie propagada vegetativamente, que é o caso do eucalipto, a análise molecular (ou de DNA) pode ser utilizada sem ressalva e não é necessário que se faça o exame morfológico, tendo em vista que o marcador molecular tem um grau de confiança de 99,99999%. Já no caso de registro de cultivar protegida, pede-se a análise morfológica.

Em sua manifestação, a própria Eldorado pede que, caso o juiz 4ª Vara Cível de Três Lagoas entenda que o exame morfológico não deve ser realizado, se execute uma nova análise de DNA (ou molecular) “por laboratório ou universidade independente e imparcial”.

A nova perícia, conforme a companhia, deveria ser feita com base em amostras colhidas a pedido da Eldorado, e armazenadas no Laboratório Exactgene, “cuja procedência e rastreabilidade estão comprovados por meio de atas notariais”. O laboratório realizou, a pedido da empresa, um laudo paralelo e sem validade jurídica, que teria trazido resultados “diametralmente opostos” ao da perícia conduzida no âmbito da ação judicial.

A Eldorado não quis conceder detalhes do caso. Informou “que não se manifesta sobre o assunto e prefere não divulgar o laudo antes da apreciação do perito judicial”.

A Fibria foi à Justiça de Mato Grosso do Sul em abril de 2013, com vistas a apurar se sua cultivar VT02, que é protegida pelo SNPC, teria sido usada em cinco fazendas com plantios comerciais explorados pela Eldorado. As duas companhias têm fábrica e florestas na região de Três Lagoas.

A suspeita teve início a partir de uma denúncia anônima, o que levou a Fibria a pedir ao laboratório Heréditas exame de DNA, o qual indicou que havia 99,9999999% de chance de o material recolhido em estradas que cortam fazendas da Eldorado ser geneticamente idêntico à cultivar da Fibria. Esse laudo, assim como o da Eldorado, não tem validade jurídica.

Porém, o fato de o Heréditas ter produzido esse primeiro exame, que antecedeu a ação movida pela Fibria na Justiça, coloca o laboratório em posição de conflito de interesses, na interpretação da Eldorado. Diante disso, a companhia segue questionando a perícia no STJ, por meio de recurso especial que ainda não foi julgado.

O laudo pericial já foi recebido pelo juiz Márcio Rogério Alves, da 4ª Vara Cível de Três Lagoas (MS) e duas companhias tiveram dez dias para se manifestar. O juiz ainda não emitiu a sentença, que confirmará ou não o laudo pericial. Procurada, a Fibria informou que não se manifesta sobre o processo judicial em andamento.

Valor Econômico

selo_ok