fbpx

Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Banner Animado Adritz no Portal Tissue Online

Notícias Tissue no Mundo

Consumo de papel higiênico na China puxa exportações brasileiras

As exportações de papel e celulose do Brasil atingiram 5,48 milhões de toneladas de janeiro a junho, alta de 7,1% na comparação mesmo período de 2014. Redução da pobreza permite mais chineses comprarem papel higiênico, toalha absorvente e guardanapo.

china-shangay-papel-higienico

Enquanto boa parte da indústria brasileira chora com a recessão econômica no país, um segmento em especial está em crescimento graças a mudanças de hábitos de higiene na China. Empresas da área de celulose estão lucrando com a venda de papel higiênico, toalhas descartáveis e guardanapos de papel para Ásia, onde os consumidores chineses são o destaque.

“O mercado [de celulose] chinês cresce muito rapidamente porque a renda vem crescendo na China, e os hábitos têm se alterado”, explicou Luis Fellis, diretor comercial e de logística da empresa Eldorado, uma das mais novas companhias do setor no mercado brasileiro e com produção quase especializada no atendimento desse mercado.

Com isso, explicou, papel higiênico, toalhas descartáveis e guardanapos de papel deixaram de ser produtos exclusivos de uma minoria na China. Com a redução da pobreza, decorrente do forte crescimento econômico que atingiu uma média de 10% na última década, grande parte da população mais carente agora tem renda para adquirir esses itens. E, diante do aumento do consumo e da incapacidade da indústria local para atender à demanda dos mais de 1 bilhão de habitantes chineses, as exportações brasileiras de papel e celulose para a China deram um salto.

Reprodução globalasia.com

Reprodução globalasia.com

Dados da Ibá (Indústria Brasileira de Árvores), entidade que representa o setor de celulose, mostram crescimento de 3,5% da produção brasileira no primeiro semestre do ano frente a igual período em 2014, com um volume de 8,2 milhões de toneladas. Já o saldo da balança comercial do setor registrou alta de 6% na comparação com o ano passado, atingindo US$ 2,9 bilhões, favorecido também pela desvalorização do real frente ao dólar. Quanto às exportações, alcançaram 5,48 milhões de tonelada de janeiro a junho, crescimento de 7,1% na comparação com o ano passado.

“[A produção chinesa de papel] cresceu muito com o surgimento de novas fábricas de papel e com o aumento do consumo no mercado interno”, disse Elizabeth de Carvalhaes, presidente da Ibá. E essas novas empresas estão buscando a celulose brasileira, uma vez que o governo chinês adotou uma linha de defesa da sustentabilidade e, empresas altamente poluentes, sem condições de se adaptar, estão sendo fechadas, de acordo com a entidade. “Isso acaba gerando demanda pela celulose brasileira, mais limpa e de boa qualidade”, afirmou Carvalhaes.

A empresas Eldorado foi inaugurada no final de 2012, e 40% de sua produção é destinada ao continente asiático. “O segmento que mais cresce é o tissue, que é justamente aquele segmento que faz papel higiênico, toalha de papel, guardanapo, toalha absorvente. É esse tipo de coisa que só vem com a renda”, disse Fellis.

Eldorado Brasil em Três Lagoas - MS

Eldorado Brasil em Três Lagoas – MS

A maior parte da produção brasileira de celulose é destinada à exportação, principalmente para Europa e Estados Unidos. De acordo com a Ibá, além do aumento da demanda chinesa, beneficia a indústria brasileira, neste momento, também, a recuperação econômica nos Estados Unidos, o segundo principal país comprador dos produtos florestais brasileiros.

Até maio desse ano, a receita de exportações estava em queda, de 3,6%. “Mas isso ocorreu por um motivo sazonal”, explicou Elizabeth de Carvalhaes. Segundo ela, Estados Unidos, Europa e China costumam reduzir a demanda no segundo trimestre do ano devido à chegada do verão e á proximidade das férias. “Mas com expectativa de compensação nos próximos trimestres, quando há uma retomada na demanda dessas regiões”, disse.

A Europa chegou a demonstrar melhora na demanda até abril, de acordo com a entidade. Mas a crise na Grécia e as consequências para o mercado europeu levaram a um quadro de incerteza. “Ainda não é possível dizer quais serão os impactos dos recentes desdobramentos da crise na zona do euro, sendo que o setor continua acompanhando com atenção”, disse a presidente.

Investimentos
A planta industrial da Eldorado foi projetada para uma produção de 1,5 milhão de tonelada ao ano, em 2012. Menos de três anos depois, já opera 12% acima da capacidade, chegando a 1,7 milhão de tonelada ao ano. “A Ásia acabou consumindo um pouco mais do que o previsto”, disse Luis Fellis, diretor da Eldorado. A empresa sempre teve no mercado asiático uma prioridade, seguida da Europa (destino de 35% da produção da Eldorado) e das Américas. “Na Ásia, dos 40% que temos, 80% a 90% estão na China, então o país é muito significativo para nós.”

E, mesmo diante de uma mudança no transporte das mercadorias destinadas ao mercado externo – uma vez que a seca na região sudeste impede a navegação na hidrovia Tietê-Paraná, obrigando a empresa a realizar o transporte por meio rodoferroviário –, a Eldorado pensa em crescer. Para mitigar os custos por conta dos problemas logísticos, inaugurou um terminal no porto de Santos (SP), no litoral paulista, orçado em R$ 90 milhões. “Esse terminal vai nos trazer uma redução de custo anual da ordem de R$ 80 milhões”, disse o diretor.

Além disso, a Eldorado vai ampliar as instalações. “Já iniciamos um serviço de terraplanagem e infraestrutura da fábrica em Três Lagoas [MS], para construir uma segunda linha de transmissão que vai partir em meados de 2018”, afirmou Luis Fellis. Inicialmente a linha terá uma capacidade de produção de 2 milhões de toneladas ao ano, podendo chegar a 2,3 milhões. “Nós vamos ter na planta de Três Lagoas uma produção de 4 milhões de toneladas, que vai ser o maior parque de produção de celulose do mundo”, concluiu.

Floresta plantada 
O Brasil ocupa hoje o quarto lugar no ranking de países produtores, atrás de Estados Unidos, China e Canadá. São 610 mil empregos diretos, de acordo com a Ibá, chegando a 4,23 milhões indiretos. Em papel, é o nono maior produtor, em um ranking liderado pela China, o que tem contribuído para o aumento das exportações brasileiras.

Para garantir a matéria-prima necessária para a produção dos diversos produtos de celulose – afinal, destruir ou desmatar florestas nativas no país é crime –, a indústria tem investido em um programa chamado “Floresta Plantada”. Com investimentos estimados em R$ 53 bilhões, até 2020, o projeto estimula o plantio de mudas específicas, das espécies exótica (como eucaliptos, pinus e tecas) ou nativa (como araucárias e paricá), o reflorestamento e a construção de novas plantas.

“As florestas plantadas são um agronegócio de extrema importância para as empresas, uma vez que garantem a madeira necessária para a produção dos diversos produtos do setor, como também permite a preservação dos recursos naturais”, disse Elizabeth de Carvalhaes.

fatoonline.com.br