fbpx


Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online
Banner Incape Portal Tissue Online


Celulose Notícias

Celulose impulsiona superávit no comércio exterior em MS

destacada-celulose

Produto segue em primeiro lugar na pauta de exportações, representando 33,99% do total exportado pelo estado

A celulose foi uma das principais impulsionadoras do superávit no comércio exterior em Mato Grosso do Sul, de US$ 979 milhões, entre janeiro e abril de 2020, segundo da Carta de Conjuntura do Setor Externo, divulgada pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

As exportações sul-mato-grossenses têm influência positiva da alta do dólar americano, que em abril, teve alta de 9,05% acima da taxa média de março.

 “A variação cambial tem sido o principal propulsor da venda de produtos brasileiros. Ela tem favorecido os preços em reais e proporciona uma boa lucratividade para o exportador, daí a importância desse segmento para a manutenção dos níveis de atividade econômica e de emprego, durante e principalmente no pós-pandemia”, declara Jaime Verruck, titular da Semagro.

Com relação aos principais produtos, a celulose segue em primeiro lugar na pauta de exportações, representando 33,99% do total exportado pelo estado, em termos do valor, com aumento de 3,70% em relação ao volume e diminuição de 15,52%.

A China segue como principal destino das exportações, representando 47,73% das vendas externas de Mato Grosso do Sul. Os países com maior aumento na participação foram: Coréia do Sul (215,13%) e Uruguai (45,78%). Por outro lado, a maior queda foi registrada para os Estados Unidos, com recuo de 37,03% nas exportações.

Isso também pode ser interessante 👇🏻
• Leilões de terminais de celulose devem ocorrer em agosto
• Celulose puxa queda nas exportações do agronegócio gaúcho
• Implantação de terminais de celulose no Porto de Santos é aprovada

“Os números reforçam a importância da China para os nossos produtos. Devido às restrições do coronavírus, houve queda nas vendas para o Chile e Argentina, mas ainda temos espaço para as nossas commodities”, completa o secretário.