Notícias Tissue na América Latina

Celulosa Argentina aproveitando o futuro do Tissue

A Celulosa Argentina tem “uma vantagem estratégica” para a produção de papéis Tissue, em um mercado que cresce rapidamente. TW visita a empresa para falar de estratégia de mercado e investimento.

Fundada em 1929, Celulosa Argentina fabrica e distribui produtos sustentáveis para os mercados doméstico e global.

Fundada em 1929, Celulosa Argentina fabrica e distribui produtos sustentáveis para os mercados doméstico e global.

É um momento interessante para Celulosa Argentina escolher entrar no mercado de tissue. A indústria de papéis sanitários na Argentina continua a apresentar valores progressistas, que apesar dos problemas econômicos no país, está seguindo a taxa de crescimento de tissue global, que é de 3 a 4%.

Em 2013, o tissue para varejo registrou 28% de crescimento, enquanto o consumo permaneceu em torno de 3,2 kg por pessoa. Um quadro que pouco mudou ao longo dos últimos cinco anos.

O presidente da Celulosa Argentina Douglas Albrecht diz que a motivação principal da empresa para entrar no mercado tissue, é a vantagem estratégica para a produção em um mercado que cresce rapidamente. “Nós somos os únicos produtores de celulose de alta qualidade na Argentina”, diz ele. “Temos sinergias logísticas importantes que irão integrar bem na fabricação de rolos. Dada a nossa excelência operacional e infraestrutura forte, estamos respondendo às demandas de empresas-chave para lhes proporcionar uma solução mais completa que lhes permita concentrar em seu negócio de bens e consumo, enquanto nos concentramos na produção industrial, que é a nossa principal competência.”

Os planos de expansão da Celulosa Argentina vão adicionar 30.000 tpa de tissue de alta qualidade para o mercado. A empresa assinou um novo contrato com a  Voith, que será instalada na sua fábrica de Capitán Bermúdez, em Santa Fé e deverá entrar em funcionamento em Janeiro de 2015. Falando de seu escritório em Buenos Aires, o gerente corporativo da empresa de relações institucionais Osvaldo Vassallo explica, que a máquina vai permitir à empresa obter uma posição em uma área da indústria de papel que está em crescimento substancial. Ele diz: “Com essa medida nós estamos seguindo com os nossos planos de crescimento de longo prazo. Foram analisados ??os mercados internacionais para papel e Tissue. Então decidimos diversificar e em 2015 vamos começar a fornecer rolos jumbo para convertedores de tissue na região local, bem como no exterior.”

Fundada em 1929, Celulosa Argentina fabrica e distribui produtos sustentáveis ??para os mercados doméstico e global. Possui três fábricas de papel; Capitán Bermúdez, Zárate, que está perto de Buenos Aires e Juan Lacaze, no Uruguai. Suas unidades de negócios atuais são de papel, polpa de celulose, floresta, madeira e distribuição, e fabrica papel para imprimir e escrever, papel de embalagem, conversão e papéis especiais. Vassallo diz que o mercado está em declínio nessas áreas em todo o mundo. “Nós vimos uma grande oportunidade de mudar para o tissue”, diz ele.

A linha da Voith que foi fornecida para processamento de tissue na Celulose da Argentina será uma linha de produção VTM 1 que tem uma largura de tela de 2.760 mm e roda a 1.800 m / min, produzindo 30 mil toneladas de base 15-21g / m² de papel higiénico e papel de cozinha a partir de fibra virgem. Vassallo diz que a nova linha oferece benefícios nos custos operacionais e de eficiência energética, bem como a sustentabilidade. Vai usar fibra virgem, e enquanto ele acrescenta que não há tanto espaço para fibra virgem e reciclado no mercado de tissue argentino, ele diz que não há muita demanda para produtos de papel reciclado a partir de consumidores. “Precisávamos investir em uma máquina dessas, que foi fundamental para nós. Mas a nossa responsabilidade social também é muito forte. Queremos ser ambientalmente responsáveis. Temos FSC e ECF e por isso não tenho problemas com a importação ou a exportação de nossos produtos. “

A empresa está tentando gerar acordos com “empresas de tissue mais importantes da Argentina.” Nesta fase, será apenas a venda de rolos jumbo para convertedores, mas em torno de 30-40% também será para exportação. Ele atualmente importa cerca de 17 mil toneladas por ano, principalmente para o mercado uruguaio, ao mesmo tempo que exporta cerca de 10 mil toneladas por ano.

Vassallo acrescenta: “O consumo de tissue argentino é basicamente localizado em torno da região de Buenos Aires. Há uma vantagem para qualquer país que produz seus próprios produtos de papel e a facilidade com o que você pode transportar por terra aqui é muito importante, é possível obter uma vantagem competitiva. “

Como são vistas as tendências do mercado brasileiro de tissue na Argentina? Vassallo diz que o tissue é mais desenvolvido no mercado brasileiro; consumidores de lá são mais exigentes do que na Argentina. “A crise de 2000 que tivemos aqui interrompeu e corrompeu o mercado, isso porque a crise econômica foi profunda “, diz ele. “Então o papel de folha simples de boa qualidade foi o mais popular. Agora o problema é mudar a mentalidade do consumidor a partir de folha simples para folha dupla. Vemos o folha dupla como uma oportunidade, e a classe que consome, é a que lidera o mercado aqui.”

Os salários na Argentina estão melhorando e as pessoas têm mais renda disponível e estão exigindo melhores produtos. Cerca de 7% dos 42 milhões da população do país vão cair no segmento de consumo ABC1, com isso, recebendo 37% do total da renda, e a maioria são dos que vivem em Buenos Aires.

“Ao longo dos últimos anos, a demanda do segmento ABC1 tem sido de melhores produtos”, diz Vassallo. “Rolo de cozinha, por exemplo, foi utilizado muito pouco há 10 anos atrás. Agora é insubstituível. Mesmo para fraldas: tente dizer aos pais para não usá-las, impossível. Temos uma grande oportunidade, e muitas metas a serem atingidas.”

Tissue World Magazine
Traduzido e Adaptado por Tissue Online.