Celulose Notícias

Aracruz Celulose (Fibria) usa eucalipto transgênico desde 2007, e ES foi laboratório

EUCALIPTO

O uso de eucalipto transgênico no Brasil começou pelo Espírito Santo. Embora este emprego sempre tenha sido denunciado, a Aracruz Celulose (Fibria) não confirmava. Agora, em ação da empresa contra uma concorrente, a Eldorado, acusada de clonagem, afirma que tem exclusividade de exploração, propagação e reprodução da cultivar VT02em todo o território nacional, entre 2007 e 2025.

Na prática, ficam confirmados plantios cuja suspeição vem do início do século, como no Seminário Internacional sobre Eucaliptos e seus Impactos, realizado em 2001, em Vitória. O seminário foi realizado na Assembleia Legislativa, pelo então deputado Nasser YoussefNasr.
O eucalipto transgênico aumentará a devastação sobre as terras capixabas. Desde a década de 60 do século passado, o plantio continuado de eucalipto destruiu a água e a terra no Espírito Santo. A terra já não tem nenhuma fertilidade, pois foi exaurida. Sem contar os danos sociais causados a comunidades camponesas, quilombolas e indígenas.
Com os novos clones, modificados geneticamente, a Aracruz Celulose (Fibria) quer aumentar sua produtividade em 50%. Quer passar das 10 toneladas de celulose produzidas por hectare por ano, para 15 toneladas até 2025.  A previsão está como meta da empresa. A Aracruz informa que possui 20 cultivares de eucalipto, e tem mais seis em análise no Serviço Nacional de Proteção de Cultivares.
A Aracruz Celulose (Fibria) é considerada a maior produtora mundial de celulose de eucalipto. A ação tramita na 4ª Vara Cível de Três Lagoas (MS). As duas empresas têm fábricas no município.
Atualmente, a Fibria tem como acionistas controladores o grupo Votorantim e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Entretanto, foi a materialização do sonho tropical de Erling Sven Lorentzen, norueguês que chegou à família real, e realizado com favores da ditadura militar. Recursos federais e favores estaduais sempre irrigaram os cofres da Aracruz Celulose (Fibria). O BNDES empresta a juros subsidiários, quase doações, à empresa.
As atividades da Aracruz Celulose (Fibria) começaram no campo pelo Espírito Santo, em novembro de 1967, quando foram plantados os primeiros eucaliptais da empresa. Hoje seus plantios de eucalipto são estimados em 350 hectares, sem contar com os plantios de camponeses que aderiram à monocultura. Tem três usinas no Espírito Santo, no município de Aracruz, norte do Estado.
seculodiario.com.br