Celulose Notícias

Após deixar Piauí, Suzano fará primeiro embarque de celulose para EUA

celulose-01

A fábrica da Suzano Papel e Celulose no Maranhão embarca neste mês a produção dos primeiros fardos de celulose para o mercado norte-americano. A empresa não divulgou a data em que o navio deixará o Porto do Itaqui, em São Luís rumo aos Estados Unidos.

A unidade da fábrica em Imperatriz, a 626 km de São Luís, abastecerá principalmente os mercados norte-americano e europeu com navios que deixarão o Porto do Itaqui.

A fábrica da Suzano no sul maranhense iniciou as atividades em 30 de dezembro de 2013, a venda ao mercado ocorre, após a formação de estoques com o insumo da nova linha de produção. A fábrica no Maranhão tem capacidade de produzir 1,5 milhão de toneladas anuais de celulose de eucalipto

O navio que será utilizado na operação é do tipo box shaped gantry crane (open hatch), uma embarcação diferenciada dos demais cargueiros por ter porões de abertura total, de forma regular sem obstruções e equipado com pontes rolantes.

Ferrovia
Há 15 dias, a Suzano informou que os 227 vagões responsáveis pelo escoamento dessa celulose já estavam prontos.

Para o escoamento da produção, de acordo com informes da Suzano, a empresa vai contar com um ramal ferroviário da fábrica até a Ferrovia Norte-Sul, em João Lisboa, com 28 quilômetros de extensão e capacidade anual de transporte de 2 milhões de toneladas de celulose e investimento de R$ 100 milhões.

O transporte do insumo entre Imperatriz e o porto será feito pela Valor da Logística Integrada (VLI) na Ferrovia Norte-Sul (FNS) e na Estrada de Ferro Carajás (EFC). Na zona do porto do Itaqui, onde a Suzano terá um armazém, o operador logístico será a Transnordestina Logística S.A. (TLSA).

O suprimento de madeira vem de plantios próprios, do Programa Vale Florestar e de parcerias com produtores locais. Em setembro do ano passado, a empresa recebeu a certificação FSC de Manejo Florestal (certificadora SCS-Sysflor).

Toda a celulose da nova fábrica já conta com a certificação Forest Stewardship Council (FSC) – Cadeia de Custódia, concedida pela certificadora Imaflora em outubro de 2013.

A fábrica do Maranhão terá capacidade para produzir 1,5 milhão de toneladas anuais de celulose de eucalipto e demandou investimento de US$ 2,3 bilhões na linha industrial. O investimento na formação da base florestal somou outros US$ 575 milhões.

cidadeverde.com.br