NotíciasTissue no BrasilValmet

Valmet consolida liderança no mercado de tissue

Mundialmente, a finlandesa entregou 11 exclusivas máquinas de dupla largura com tecnologia inovadora e custo energético reduzido

A indústria brasileira vem se destacando no mercado internacional de celulose e ocupa, hoje, o segundo lugar no ranking mundial de produtores da matéria-prima, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. O segmento de papel e celulose registra progressivo aumento da capacidade produtiva, impulsionado pelos avanços tecnológicos e as constantes mudanças no perfil do consumidor e seu comportamento. Nos últimos dois anos, especialmente, a demanda por produtos oriundos da celulose, como os papéis tissue foi ampliada.

“A conscientização pelos protocolos de higienização pessoal e do lar, motivada pelas medidas protetivas da pandemia, bem como o aumento dos deliveries de comida e compras on-line em e-commerce consumiram papel em níveis nunca antes vistos. Para suprir a crescente demanda, os principais fabricantes de celulose e papel com instalações em solo brasileiro têm investido em projetos de expansão com o apoio da Valmet. Estima-se que a América do Sul aumente sua capacidade produtiva em 35% até 2030”, explica o gerente de vendas na divisão de tissue da companhia finlandesa, Sérgio Vargas.

Segundo dados da Fastmarkets Risi, principal provedora global de dados dos mercados de commodities e da indústria de base florestal, o Brasil é o maior produtor e consumidor de papel tissue na América Latina, com uma produção estimada em 1,5 milhão de toneladas por ano. É importante destacar, ainda, que há considerável correlação entre o consumo de papéis tissue e alguns fatores como processo de urbanização, aumento do padrão de consumo dos brasileiros, decorrente do maior poder de compra. Ou seja, pode-se afirmar que esse mercado é volátil e sofre impactos econômicos, políticos e sanitários.

BUSCA POR PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO TENDE A CRESCER NO BRASIL

Segundo dados do Euromonitor, o varejo sofreu forte impacto pela pandemia e registrou crescimento de 9% no consumo de tissue. O crescimento, porém, ficou aquém do esperado em razão dos efeitos econômicos, oriundos da crise sanitária, que afetaram a capacidade de compra dos brasileiros. Para fins comparativos, o consumo per capita de papel tissue pelo brasileiro é de 6,5 kg, ao passo que o Chile consome em torno de 15 kg por ano por habitante e os EUA atingem o marco de 24 kg, anualmente, por habitante.

Todavia, é notável a curva ascendente na demanda por papéis tissue premium, como são conhecidos. “Já podemos notar uma migração do papel higiênico de folha dupla para a folha tripla na Colômbia e Brasil, causada pelo reaquecimento da economia e consequente aumento do poder aquisitivo das pessoas”. A empresa global de informação, dados e medição Nielsen confirma esse movimento migratório: os produtos de folha tripla na categoria de papel higiênico saíram de uma participação de 2,6% em 2018 para 3,5% no ano seguinte e alcançaram 4,3% em 2020. Os tradicionais papéis de folha dupla representavam 66,5% da categoria há três anos, passaram para 69,3% em 2019 e para 70,5% no ano seguinte.

O percentual de consumo em higiene pessoal, doméstica e itens de beleza, conhecidos como produtos de consumo de massa, também registra crescimento e já corresponde a uma parcela significativa de lucro das indústrias e produtores de tissue. Segundo relatório global Omnichannel da Kantar, os consumidores, de forma geral, já têm adotado hábitos pré-pandêmicos, ampliando seu poder de compra. A empresa britânica de pesquisa de mercado, estima um crescimento de 6,5% em valor de consumo pelos brasileiros.

ATENTA ÀS TENDÊNCIAS, VALMET INVESTE NO BOM DESEMPENHO DO MERCADO DE TISSUE

A líder mundial no desenvolvimento e fornecimento de tecnologias, automação e serviços para os setores de celulose, papel e energia, Valmet, investe anualmente mais de € 80 milhões em pesquisas e desenvolvimento. A multinacional conta com um centro de tecnologia com uma máquina piloto para desenvolvimento de novos produtos próprios e de clientes, além da maior quantidade de máquinas tissue instaladas no mundo.

“O foco do setor de P&D é desenvolver produtos para aumento de produção e eficiência, redução do consumo de matéria-prima, água e energia e utilização de materiais renováveis. Os últimos desenvolvimentos como a prensa ViscoNip, caixa Redry, turbina Returne, tecnologias de máquinas NTT, QRT e eTAD foram concebidos focando na redução de consumo energético, água e fibras e ainda na melhoria da qualidade do produto final. Também investimos no desenvolvimento de aplicações de internet industrial e em aquisições para ampliar nosso portfólio com as máquinas convencionais da linha Intelli”, explica Sérgio.

Nos últimos anos, a Valmet participou dos principais projetos de tissue no Brasil e em outros países latinoamericanos em empresas como Softys, Kimberly-Clark e FPC, fornecendo soluções para a produção desde o papel convencional ao premium.

Fonte
Valmet
Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo