Notícias Sustentabilidade Tissue no Mundo

Rotulagem de carbono nas embalagens de papel higiênico

papel_higienico_rep

Introdução

ETS é a Associação Europeia da Indústria de Papel Tissue. Os membros do ETS representam a maioria dos produtores de papel Tissue em toda a Europa, cerca de 90 % da produção total do Tissue Europeu. ETS foi fundada em 1971 e tem sede em Bruxelas.

Assim como os fabricantes de produtos de uso básico, o setor Tissue está empenhado em promover o desenvolvimento sustentável por meio de atividades como a redução da pegada de carbono de seus produtos e operações, sempre que possível. Este documento resume a posição da ETS na rotulagem da pegada de carbono no papel higiênico.

O que é uma pegada de carbono?

A pegada de carbono é uma categoria de impacto único e é usada para entender especificamente o gás de efeito estufa e emissões associadas ao ciclo de vida de um produto específico. A pegada de carbono não é apenas sobre as emissões de dióxido de carbono, mas também inclui a contribuição de outros gases de efeito estufa, como o metano e nitroso óxido.

A Avaliação do Ciclo de Vida é uma metodologia reconhecida internacionalmente, com base na ISO 14040 – série de padrões que são utilizados para identificar impactos ambientais potenciais e oportunidades de melhoria em toda a produção de material, transporte, fabricação de produtos, uso do consumidor e eliminação.

Posição da ETS sobre a impressão da pegada de carbono de papel higiênico em embalagens

Membros do ETS estão preocupados que os produtos que são rotulados com números de carbono só levem em consideração um impacto ambiental de forma isolada, ao invés de olhar para toda a imagem ambiental. Isso pode levar a julgamentos errados, por exemplo, onde uma pegada de carbono é mais baixa é acompanhado por uma maior desperdício, ou uso da água.

Membros do ETS acreditam que, apesar de ter dados certificados, colocar números para as emissões de carbono nas embalagens de papel higiénico não fornecem relevantes informações, nem a tomada de decisão de apoio por parte do consumidor final. Muitas partes interessadas, concordam que os consumidores precisam ser conscientes sobre impactos ambientais, incluindo, as informações sobre o carbono.

ETS e o estudo da pegada de carbono em papel higiênico

Em 2008, a ETS decidiu calcular as emissões de carbono a partir da média europeia de consumo de papel higiénico. A ETS também queria considerar as vantagens e desvantagens de comunicar as pegadas de carbono nas embalagens.

Consultores especializados que operam com a norma ISO 14040 e padrões de ciclo de vida foram contratados para realizar o trabalhos. Os consultores calcularam as emissões de carbono por média da indústria de papel higiênico a partir da produção com diferentes tipos de fibras, utilizando sempre os critérios da Avaliação do Ciclo de Vida (ACV).

Certos aspectos não foram relatados, em especial, o sequestro de carbono nas florestas e a emissão final para o papel higiênico, devido à dificuldade em produzir médias significativas para estas áreas.

Os resultados mostraram que houve pouca diferença na pegada de carbono de diferentes tipos de fibras de papel higiênico produzidas na Europa.

Analisados ??os resultados, bem como os vários métodos para cálculo da pegada de carbono em toda a Europa, a ETS concluiu que colocar qualquer tipo de números em embalagens de papel higiênico não seria relevante e potencialmente importante para os consumidores.

No entanto, o projeto estabeleceu que a contribuição do papel higiênico, considerando cerca de 22 gramas de CO2 por dia, é pequena. E o mais importante, em termos de benefícios na higiene, não podem ser facilmente substituídos.

Razões para não comunicar indústria médio números de carbono em embalagens

1 . O carbono é apenas um elemento de impacto ambiental/sustentabilidade.

2 . Com um produto de consumo em movimento rápido, tais como produtos Tissue, a probabilidade que qualquer “ação ambiental” mudar em um curto período de tempo é bastante elevada devido a mudanças na embalagem, transporte, fabricação, etc. Este variância torna impraticável e enganador para o consumidor oferecer um “valor fixo” de pegada de carbono em um produto específico.

3 . Para o papel higiênico, é muito difícil definir uma unidade funcional, tal como os tipos diferentes de papel podem variar (por exemplo, número de folhas, tamanho das folhas, etc.) Portanto a ETS usou um número “médio”, como unidade funcional no estudo. Isso torna difícil para qualquer usuário fazer escolhas com base nas informadas entre os tipos de papel.

Conclusão

Papel higiênico é um produto essencial para a higiene pessoal e não existem produtos alternativos relevantes disponíveis. Existe papel higiênico de muitos tipos diferentes para garantir que as necessidades de higiene e preferências sejam cumpridas aos consumidores. Para colocar uma etiqueta de pegada de carbono nas embalagens neste momento, não será possível fornecer informações relevantes para os consumidores.

Finalmente, deve ser lembrado que as emissões de carbono associadas com o consumo de papel higiênico representam apenas uma pequena fração do carbono se comparada a muitas outras atividades comuns, por exemplo:

 “A produção de 10 kg de papel Tissue (lenço de papel, papel higiênico, rolos de cozinha, lenços de papel, papel toalhas para mão), cria cerca de 13 kg de emissões de CO2. Do total de Tissue a parcela de papel higiénico é de 6kg a 8kg de CO2, o que gera cerca de 22 gramas de CO2 por dia. Isto não é comparável à muitas outras atividades diárias domésticas de pequena escala, e é mais ou menos equivalente ao CO2 produzido por um carro familiar num percurso de apenas 140 metros “.

http://www.europeantissue.com/
Traduzido e Adaptado por Tissue Online