fbpx

Banner Animado Adritz no Portal Tissue Online

Celulose Notícias

Projetos da Fibria beneficiam melhor desemprenho e economia na Logística Florestal

Para transportar 1,2 milhão de m³ por ano de madeira, eram necessárias 30 mil viagens, com o projeto a companhia conseguiu reduzir esse número para 26,7 mil viagens, isso tem um impacto positivo no meio ambiente devido a redução da emissão de CO2

Unidade da Fibria em Jacareí. (Foto: Divulgação)

A Fibria, empresa brasileira líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, tem como um de seus pilares estratégicos a busca constante pela excelência operacional. Com base nessa diretriz, a companhia trabalha no desenvolvimento de soluções que têm foco em aumentar o desempenho operacional e reduzir custos na área de Logística Florestal.

A primeira iniciativa foi desafiar os parceiros, fabricantes de carretas, a criarem veículos com materiais mais leves e com maior capacidade de volume de carga. “Fizemos uma parceria com a Universidade de São Carlos. O projeto foi patenteado e conseguimos um fabricante para esse novo modelo, que batizamos de PIFF – Projeto do Implemento Florestal da Fibria. A estrutura no modelo PIFF é 20% mais leve do que nos convencionais. Na operação do Vale Paraíba (SP), tivemos um aumento na caixa de carga por composição, saindo de 40m³ para uma capacidade de 45m³ de madeira”, explica o gerente de Logística Florestal São Paulo, Marcos Aurélio Barbosa.

Com esse resultado, foi possível tirar quatro caminhões da frota, no Vale do Paraíba (SP), que passou a operar com 16 veículos em 2018, ao invés de 20. Parece pouco, mas faz grande diferença no número de viagens, o que representará uma economia de cerca de R$ 3,5 milhões por ano, em virtude da eficiência logística e, consequentemente, redução no consumo de diesel. “Para transportar 1,2 milhão de m³ por ano de madeira, eram necessárias 30 mil viagens, com o projeto reduzimos para 26,7 mil viagens, isso tem um impacto positivo no meio ambiente e bem-estar das pessoas, pois reduzimos a emissão de CO2”, acrescenta Marcos Aurélio.