Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Notícias Tissue na América Latina

O mercado econômico do Brasil perante a América Latina

As tendências divergentes das duas Américas Latina podem continuar para além de 2014.

As tendências divergentes das duas Américas Latina podem continuar para além de 2014.

Há duas Américas Latina. O primeiro é um bloco de países, incluindo Brasil, Argentina e Venezuela, que faz fronteira com o Oceano Atlântico. O segundo, composto por países que beiram o Pacífico, incluindo México, Peru, Chile e Colômbia, promovem o livre comércio e tem mercado aberto.

Como os dois grupos têm uma geografia, cultura e história; esta divisão criou um subcontinente numa espécie de experimento econômico. Por quase uma década, as economias dos países do Atlântico têm crescido mais rapidamente, em grande parte graças ao aumento dos preços das commodities. Mas os próximos anos, e para os países do Pacífico?. Portanto, a região como um todo enfrenta uma decisão sobre qual caminho a percorrer: o Atlântico ou do Pacífico?

Há boas razões para pensar que os países que fazem fronteira com o Pacífico têm uma vantagem. Alan Garcia, ex-presidente do Peru, disse em uma recente conferência na Cidade do México que grande parte do continente estão pagando os custos do protecionismo.

O ex-presidente acrescentou que esta não é a América Latina que ele vê no futuro, mas uma representação, encabeçada por países como o Chile, que, segundo ele, tem sido um bom exemplo de como fazer as coisas, incluindo Colômbia, Peru e México.

Em 2014, o bloco comercial da Aliança do Pacífico que compreende o México, Colômbia, Peru e Chile iria crescer, em média, 4,25%, impulsionado pelos altos níveis de investimento estrangeiro e de baixa inflação, de acordo com estimativas do Morgan Stanley. No entanto, o grupo composto Atlântico Venezuela, Brasil e Argentina, os países membros do Mercosul seria expandir apenas 2,5%, e o peso pesado da região, o Brasil, apenas 1,9%.

As tendências divergentes das duas Américas Latina podem continuar para além de 2014. Quando o crescimento econômico da China estava no auge, o petróleo da gigante Venezuela estava subindo, a soja Argentina, cobre chileno e minério de ferro brasileiro também. No entanto, como a economia chinesa desacelerou, como ocorreu com os preços das commodities, o que desestabiliza as economias do Atlântico. O ministro das Finanças brasileiro, Guido Mantega, usa para se gabar de que o modelo de desenvolvimento econômico logo se espalhou pelo mundo. Mas o Brasil, com seus altos impostos, tarifas, burocracia e pouco fez para se preparar para o momento em que os preços das commodities poderá enfraquecer.

Economistas notam que os países da zona de livre comércio na América Latina estão mais bem preparados para ter sucesso, com maiores aumentos de produtividade e mais propensos a atrair economias abertas de investimento. Países do Pacífico, até mesmo aqueles que, como o Chile ainda dependentes de commodities como o cobre, têm tomado medidas adicionais para intensificar todos os tipos de exportações. No México, as exportações de manufaturados atualmente são responsáveis por quase um quarto da produção econômica anual. (O percentual do Brasil é uma insignificante 4%). Economias do Pacífico também são mais estáveis. Países como o México e o Chile vão desfrutar de menor inflação e reservas internacionais abundantes.

Por outro lado, a Venezuela e Argentina começam a parecer casos econômicos perdidos, com inflação alta e fracas finanças públicas. Na Venezuela, a inflação é superior a 50%, a par com a da Síria, que está devastada pela guerra civil. Presidente Nicolas Maduro, sucessor do falecido populista Hugo Chávez está intensificando os controles de preços para tentar controlar a inflação. O resultado bastante previsível foi uma grande falta de tudo, desde carros novos para papel higiênico. Uma nova aplicação popular usa crowdsourcing, colaboração ou público, para informar os moradores de Caracas, em quais locais foram encontrados produtos como a carne, papel higiênico, por exemplo.

"O Brasil, com seus altos impostos, tarifas, burocracia e pouco fez para se preparar para o momento em que os preços das commodities poderá enfraquecer."

“O Brasil, com seus altos impostos, tarifas, burocracia e pouco fez para se preparar para o momento em que os preços das commodities poderá enfraquecer.”

As finanças desta América Latina não são cópias. Moedas da Venezuela, Argentina e Brasil estão entre os três moeda de pior desempenho na região, em 2013. Por exemplo, o peso argentino caiu 32% em relação ao dólar, à taxa de câmbio oficial, e quase 47% no mercado negro.

Argentina também sofreu. Em Buenos Aires, os meses de verão no hemisfério sul trouxe temperaturas extremamente altas e apagões frequentes. O governo impôs controles sobre os preços da energia em 2002, na esperança de ajudar os pobres a superar o colapso financeiro de 2001. Ainda assim, o que era para ser uma medida temporária se tornou permanente. As empresas de energia, desencorajados pelos controles de preços, não conseguiram investir em sua rede.

Mesmo o Brasil, que tem tido uma gestão econômica muito mais responsável do que a Venezuela ou Argentina, começa a lutar contra aumento dos preços e um “boom” de crédito que está começando a inverter-se. No ano passado, um bloco resumiu Atlântica brasileira duramente: “O Brasil está se tornando Argentina, Argentina está se tornando a Venezuela e a Venezuela está se tornando Zimbabwe”.

Um momento-chave na criação de duas Américas Latina ocorreu em 2005, quando o Brasil, Argentina e Venezuela (então governado por Chavez) se uniram para acabar com a proposta de criação da Área das Américas de Livre Comércio, que se estende desde o Alasca à Patagônia. Preocupado com o fracasso da ALCA, a Aliança do Pacífico criaram a sua própria área de livre comércio, eliminando as tarifas sobre 90% dos bens e definiram um cronograma para fazer o mesmo com o resto.

Eles também diferem em sua diplomacia: bloco do Atlântico geralmente mostra desconfiança ou hostilidade para com os Estados Unidos, enquanto os países do Pacífico tendem a ter laços mais estreitos com Washington.
“Em última análise, os deferentes resultados dos blocos, hão de resolver os debates”, disse Pedro Pablo Kuczynski, ex-ministro peruano da Economia e Finanças “, porem ideias ruins demoram para morrer.”

Fonte: The Wall Street Journal
Traduzido e Adaptado por Tissue Online