Notícias Tissue na América Latina

CMPC considera plano de investimentos de cerca de US $ 500 milhões em 2019

Nos escritórios da Agustinas, a Assembleia de Acionistas da CMPC foi realizada na sexta-feira, 26 de abril, na qual a empresa escolheu um conselho de administração e apresentou o Relatório Integrado e as Demonstrações Financeiras Consolidadas de 2018.

Em relação aos resultados financeiros, Luis Felipe Gazitúa destacou o progresso da empresa durante 2018, durante o qual alcançou um lucro líquido de US $ 502 milhões, 387% maior que no ano passado: “Nós completamos um ano de grande progresso para a nossa empresa, que reflete em vários aspectos, tais como registro de celulose de produção anual, a conclusão da fábrica Cartulinas, projeto de modernização na região de Maule, colocando um segundo bônus verde desta vez no Peru e a inauguração do novo edifício CMPC Corporation na cidade de Los Angeles “.

O presidente da empresa também ressaltou que o prédio em Los Angeles “é um sinal muito concreto do compromisso da CMPC com o desenvolvimento do Chile e de suas regiões. Porque enquanto alguns lutam de forma violenta para incentivar as divisões onde elas não existem, gerando prejuízos para a comunidade como um todo, nossa empresa continua investindo e gerando oportunidades para todos os seus vizinhos ”.

No recente lançamento do Softys, novo nome e imagem corporativa que unifica a operação regional da subsidiária de produtos de tissue, e o fortalecimento da sua organização, Gazitúa observou que “ambas as decisões são parte do propósito de Empresas CMPC para continuar expandindo sua presença neste negócio, bem como em Embalagens, Madeiras e, claro, Celulose “.

Na instância também por unanimidade renovada formada por Luis Felipe Gazitúa no escritório, Vivianne Blanlot, Rafael Fernandez, Jorge Larrain, Jorge Matte, Bernardo Matte, Jorge Marin, Ramiro Mendoza eo diretório Paul Turner.

Próximos investimentos

Após a reunião o gerente geral da CMPC, Francisco Ruiz Tagle, detalhou o plano de investimentos que a empresa terá para este ano de 2019 e que considera em torno de US $ 500 milhões em florestamento, em eficiência e continuidade operacional, em projetos na Argentina, em iniciativas ambientais e na área de Embalagens para a produção de sacolas de papel, segmento para o qual a empresa entrará este ano.

“A empresa definiu entrar nesse segmento de consumo de massa com uma linha de produção de sacolas de papel em Chillán que deve estar operando até agosto deste ano. Isso faz parte do compromisso da CMPC de abandonar o plástico e usar mais papel. Por isso, já estamos em conversações com empresas de varejo e supermercados, onde há um interesse particular em evoluir as embalagens para papel e fibra natural “, disse Francisco Ruiz Tagle, gerente geral da CMPC.