Notícias Tissue na América Latina

Cartel de Tissue entre CMPC e SCA também cobriu o mercado institucional

Cartel de Tissue evidenciado pela delação compensada da CMPC

O Procurador Econômico Nacional (FNE) apresentou uma liminar contra CMPC e PISA (agora SCA) por se terem concertado no negócio de papel de Tissue. Foi mais uma informação que implicou e comprovou a participação de ambas as empresas em uma extensão do principal contrato de conluio, envolvendo grandes clientes do mercado institucional, como restaurantes, aeroporto de Santiago, farmácias, clínicas e hospitais, sinaliza o início do relatório especial feito pela Rádio BioBío e publicado nesta segunda-feira em seu site.

Este capítulo desconhecido de conluio entre as duas empresas foi revelado em parte pela CMPC no próprio documento clemência que reservadamente foi apresentado no dia 27 março de 2015 na Procuradoria Econômica Nacional, FNE. Neste documento, publicado pela primeira vez pela Unidade de Pesquisas da Rádio Bío-Bío, a CMPC reconhece que, além do conluio no segmento de massa, as duas empresas distribuíam seus clientes a clientes institucionais.

As duas empresas, de acordo com a CMPC em sua declaração compensada, “teriam concordado em compartilhar um grupo de clientes atendidos pela divisão institucional de cada empresa”. Para realizar este acordo, os executivos da CMPC e PISA elaboraram uma lista que identificou detalhadamente esses clientes, fizeramum preço mais elevado para respeitar o acordo e manter a lista inalterada.

Dessa forma, grandes empresas, hospitais e clínicas, entre outros, poderiam ser afetados pela compra de tecidos de fornecedores coniventes. O anterior teria provocado denúncias e denúncias, pois a prática poderia afetar licitações públicas de hospitais e outros organismos do Estado. Mas nenhuma dessas grandes empresas e órgãos públicos sabia disso, porque o FNE nunca revelou isso. De fato, quando foi requerido e entregue ao Tribunal para a Defesa da Livre Concorrência (TDLC) a compensação da CMPC, ocultou todas essas informações.

Um exemplo disso aparece na terceira página da denúncia da CMPC tornada pública pelo FNE. Ele diz: “Em relação ao negócio maciço de tissue, o PISA e a (CMPC) Tissue teriam concordado em deter quotas de mercado de 76% para a (CMPC) Tisuee e 24% para o PISA, sem considerar outros concorrentes.” O resto do parágrafo aparece em preto. No entanto, após a investigação da Rádio Bío Bío, seu conteúdo é agora conhecido:

“Com relação ao negócio institucional, uma lista de clientes teria sido desenhada indicando quais correspondiam ao PISA e quais (CMPC) Tecidos. A soma das toneladas que representavam os clientes de cada empresa incluída nesta lista teria sido equivalente “.

“Para realizar a manutenção do respeito aos clientes no negócio institucional, a empresa deve respeitar o cliente para o outro não negociados ou cotados requisitos, citação ou proposta mais barata que o cliente execute, seja diretamente ou através de distribuidores” .

Estrategia

Comente com Facebook

Comentários