fbpx




Banner Incape Portal Tissue Online
Banner Animado Valfilm Portal Tissue Online

Celulose Notícias

Bom desempenho nas exportações salva indústria de celulose

Desvalorização cambial garantiu aumento de rentabilidade, apesar dos custos. De janeiro a abril de 2015, produção cresceu 4,3%

papel tissue

Em meio aos muitos resultados negativos que a indústria de transformação acumula ao longo de 2015, o setor de celulose se destaca com um raro desempenho. De janeiro a abril deste ano, a produção totalizou 5,42 milhões de toneladas, alta de 4,3% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados da Indústria Brasileira de Árvores — IBÁ. Por trás do bom desempenho da indústria de celulose está a desvalorização cambial, que impulsionou as exportações, levando a um crescimento de 12,7% no volume vendido no mercado externo, totalizando 3,66 milhões de toneladas.

Estudo exclusivo feito pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), a pedido do site Brasil Econômico, revela que a desvalorização cambial de 38% no período de maio de 2014 a maio deste ano garantiu ao setor de celulose, papel e produtos de papel uma rentabilidade de 16%.

“É um dos poucos setores com rentabilidade expressiva, no qual o câmbio está compensando os efeitos negativos do aumento dos custos de produção, especialmente com folha salarial e energia, e a queda no preço internacional”, avalia a economista da Funcex, Daiane Santos. No período, o setor registrou um aumento de 11% nos custos de produção e uma queda de 6% no preço do produto. “É uma raridade no momento, considerando que a queda no preço internacional do petróleo e do minério de ferro tem jogado para baixo a rentabilidade das indústrias ligadas a esses setores”, acrescenta Daiane.

“O ponto ruim é que não se sabe até quando a desvalorização cambial vai compensar o aumento nos custos de produção”, ressalta a economista.

Embora os dados da Funcex aglutinem os setores de celulose, papel e produtos de papel, os dados do IBÁ mostram que a desvalorização cambial vem impulsionando mais a produção de celulose, do que a de papel e produtos de papel. Isso acontece porque parte expressiva da produção de celulose (61%) é voltada para o mercado externo, enquanto apenas 19% do que é produzido de papel é exportado — segundo dados de 2012 da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa, instituição que integra a IBÁ).

De acordo com o balanço setorial, nos quatro primeiros meses do ano, a produção de papel caiu 2%, ao atingir 3,387 milhões de toneladas, enquanto em igual período de 2014 o volume havia sido de 3,456 milhões de toneladas. A queda na produção está diretamente ligada ao recuo de 5,6% na demanda doméstica no período.

As vendas para o mercado interno, que em 2014 atingiram 1,827 milhões de toneladas, caíram para 1,725 milhões de toneladas. Já as exportações de papel retraíram 0,5%, atingindo 639 mil toneladas, ante 642 mil toneladas.

“O papel é um segmento que vem desacelerando bastante, em função da queda na produção de produtos de gráfica, como revistas, jornais e livros, que acumulam retração no volume de vendas de 8% no ano, até abril, segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)”, afirma a economista do Bradesco, Regina Helena Couto da Silva.

Especialista na área, Regina salienta que parte do forte crescimento da produção de celulose está ligada também aos investimentos do setor, com a construção de novas unidades fabris. Segundo estudo do Departamento Econômico do Bradesco, o eucalipto ocupou 5,47 milhões de hectares em 2013, o que representa crescimento de 3,2% sobre o ano anterior.

Com a ampliação da área plantada, a oferta nacional de celulose de fibra curta (usada para fabricação de papel tissue e de escrever e imprimir) cresceu 10,2% em 2014, compatível com ampliação de capacidade produtiva proporcionada pelas novas fábricas. “É o único setor investindo atualmente e de olho nas exportações. A fábrica Eldorado, no Mato Grosso do Sul, do Grupo JBS, é um dos exemplos. Há também novas plantas no Piauí e no Maranhão”, destaca Regina.

Segundo a especialista, a projeção para o ano é a de que a produção de papel continue fraca, em função da baixa demanda interna. Já a celulose deve ganhar ainda mais com as exportações. “O Brasil é superior na produção de eucalipto em função do clima, do tipo de terra e do melhoramento genético realizado nos últimos 15 anos. Fora isso, o setor se beneficia do câmbio, tornando-se altamente competitivo”, acrescenta.

De janeiro a abril deste ano, 41% das exportações de celulose tiveram como destino os países da Europa, 32% a China, 15,7% a América do Norte e 7,9% a Ásia.

brasileconomico.ig.com.br