Notícias Tissue no Brasil

Anin dá novos passos na instalação da nova fábrica em Três Lagoas – MS

Companhia buscou localização estratégica para otimizar logística e produção.

Três Lagoas possui o maior parque de produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas do mundo. Isso faz com que as fábricas de celulose de Três Lagoas tenham destaque em âmbito mundial. As três principais fábricas do setor papeleiro, Fibria, Eldorado e International Paper, empregam, juntas, mais 11 mil pessoas.

É inserida nesta geografia que o Projeto UNIR será implantado. O projeto teve início no primeiro trimestre de 2017, com a contratação da POYRY para a elaboração dos estudos de mercado, pre-dimensionamento da planta, estimativas de investimento e estudos de viabilidade. A POYRY é uma empresa internacional de consultoria e engenharia que atende globalmente a clientes no setor industrial e de energia e presta serviços localmente a diversos mercados estratégicos. Atua nos setores de consultoria florestal, papel e celulose, mineração e metalurgia, químicos e biorrefinaria, energia e infraestrutura. No Brasil e no mundo, nas últimas décadas, praticamente todos os grandes projetos na área de papel e celulose contaram com a participação da POYRY através das diversas áreas de atuação da empresa.

Após a análise de diferentes cenários, contando com diferentes localizações, Três Lagoas ratificou através dos diversos fundamentos, como sendo a melhor opção para implantar o Projeto UNIR.

Incentivos fiscais

A partir daí o board de desenvolvimento do projeto iniciou o processo de obtenção dos incentivos fiscais, concedidos as empresas situadas no Estado de Mato Grosso do Sul. Ao mesmo tempo, iniciou-se as tratativas com a Prefeitura Municipal de Três Lagoas, para a obtenção de área em comodato e posterior doação no Distrito Industrial da cidade. Á área viabilizada está a menos de 1km do Rio Paraná, o que será fundamental para os sistemas de captação e emissão da fábrica. Os dois processos foram concluídos com êxito no início do 2º semestre deste ano.

Próximas fases

O projeto está na fase de licenciamento ambiental no IMASUL (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e o objetivo é poder concluir o processo para iniciar as obras no início de 2019. O projeto poderá contar ainda, com os recursos do FCO Empresarial (Fundo Constitucional de financiamento do Centro Oeste). Com prazos, limites e encargos financeiros diferenciados, esta linha de crédito é destinada às empresas que se dedicam a atividade produtiva nos setores industrial, agroindustrial, mineral, de turismo, de infraestrutura econômica e de comércio e serviços na região Centro Oeste.


Produtos e capacidade   

A capacidade inicial da fábrica será de 30.000 toneladas ano, podendo ter uma expansão de igual capacidade a partir do 2º ou 3º ano de operação, chegando a 60.000 toneladas ano. Os diferentes produtos ali produzidos, desde as bobinas de papel tissue, passando pelos produtos acabados de folha simples, duplas entre outros, devem atingir o mercado em um raio de aproximadamente 500 km. Através de um sistema de logística própria que o Grupo já possui em suas operações, o objetivo é oferecer diferentes linhas de produtos acabados ou semi-acabados nas diversas regiões, considerando o perfil e característica individual de cada uma delas.

Fundos de investimento e padrão de desenvolvimento

Os acionistas do Grupo Anin (Holding proprietária do Projeto UNIR) estão analisando algumas propostas colocadas por Fundos de Investimento e Participação. “Algumas opções apresentadas por fundos, principalmente de fora do País são interessantes, estamos avaliando as propostas e esperamos tomar uma decisão nos próximos meses, talvez até o final do ano” relata o Presidente e acionista da Anin, Aurio Lima Jr.

O Diretor de Desenvolvimento do projeto, Leandro Magalhães, complementa “Investimos no projeto as melhores práticas do setor, desde a escolha do local, passando pelas consultorias contratadas, até o processo de orçamento e conhecimento dos nossos futuros fornecedores de equipamentos, máquinas e engenharia. Pretendemos continuar com este parâmetro de excelência na fase de construção e a decisão de ter um sócio passa por este pré-requisito”.

O projeto tem o cronograma para iniciar as obras em Janeiro de 2019 e iniciar a produção ao mercado no final de 2020.