Notícias Tissue na América Latina

CMPC inaugura nova planta de US$ 140 milhões no Peru e promete investimentos no Brasil e Argentina

cmpc

A empresa do grupo Matte já possui unidades industriais nesse segmento nos mercados brasileiro e argentino, mas espera crescer, apostando que o consumo per capita desses produtos na região.

cmpc

Depois de inaugurar sua segunda fabrica de produção de papel tissue no Peru ontem, a CMPC planeja continuar crescendo nesse negócio de papel, que já representa quase 40% de suas receitas.

O grupo Matte anunciou que irá investir entre US $ 400 milhões e US $ 500 milhões em 2018 e alguns de seus planos de expansão para o próximo ano são para iniciar novas iniciativas no segmento de tissue no Brasil e na Argentina, onde já tem unidades industriais neste negócio.

Isto foi afirmado pelo gerente geral da companhia, Hernán Rodríguez, que participou da inauguração da fábrica de tissue nas proximidades de Cañete, sul de Lima, Peru, fábrica na qual a empresa – por meio de sua subsidiária Protisa – investiu US $ 140 milhões. A cerimônia contou com a participação do presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, pela primeira vez desde 1995, que a CMPC esteve presente na estréia de um centro de produção fora do Chile. A última ocasião foi na Argentina, onde Carlos Menem participou.

Desta vez, no Peru também foram convidados como executivos e empresários chilenos, líderes de alianças nacionais, como Alfredo Moreno, presidente do CPC; Bernardo Larraín Matte, dono da Sofofa e membro da família controladora da CMPC, e Andrés Santa Cruz, presidente da Associação AFP. Outros membros do grupo, como Bernardo Matte e Patricia Matte, e diretores e gerentes da Papelera, entre outros, foram adicionados.

Na cerimônia, o presidente da CMPC, Luis Felipe Gazitúa, lembrou que estiveram no Peru há 22 anos, que eles têm outra fábrica de tissue em Lima e que a empresa gera emprego direto nesse país para cerca de 1.500 pessoas.

Embora Rodríguez tenha apontado que as aprovações do conselho da CMPC estão faltando, é um fato que a empresa planeja investir em projetos de tissue na Argentina e no Brasil, o que estará em nível operacional dentro do período de 18 meses.

Em abril deste ano, uma das divisões da companhia no Brasil anunciou que eles investirão cerca de US $ 320 milhões em cinco anos no segmento de tissue (papel higiênico e toalhas de papel); No entanto, alguns dias depois, a notícia foi negada pela Empresas CMPC. Agora, a intenção da empresa é crescer nesse segmento, uma vez que vê que o consumo médio por pessoa de produtos desse tipo na região, que limita os 6,5 quilos, pode se expandir. No Chile, esse número atinge 12 quilos, no México para 9 quilos e nos Estados Unidos, para cerca de 25 quilos.

Hernán Rodríguez disse que este ano também está encerrando um investimento entre US $ 400 milhões e US $ 500 milhões, com projetos no Chile (Laja e Maule), além da planta em Cañete no Peru. Em 2018, outros planos são manter plantações florestais por cerca de US $ 100 milhões por ano e construir um prédio de escritórios em Los Angeles, Biobío.

curso lançamento liderança tissue

Maior orçamento para combate a incêndios

Em outra questão, a CMPC aumentou seu orçamento para combater os incêndios em quase 60%, de US $ 17 milhões para US $ 27 milhões. Hernán Rodríguez disse que terão cerca de 600 brigadistas nesta temporada e que duplicarão a capacidade de lançamento de água para o dia em caso de ocorrências.

Como resultado dos megaincendios na zona centro-sul do país no verão passado, o CMPC foi afetado em cerca de 19 mil hectares. Isso implicava que ele cobraria seus resultados em 2017 por um total de cerca de US $ 47 milhões.

Em relação à compensação pelo caso Tissue no Chile, a Papeleira espera que a justiça ratifique o acordo com o Serviço Nacional do Consumidor (Sernac), que foi reivindicado por organizações de consumidores de origem Mapuche. A empresa diz que a Sernac tem a fórmula para distribuir o dinheiro (US $ 150 milhões, acrescido de juros) pronto, que já está depositado em uma conta especial do BancoEstado.

Hernán Rodríguez afirmou que eles não tiveram notícias sobre a perda de volumes deste caso nos tribunais.

economiaynegocios.cl

Comente com Facebook

Comentários